ninfa e fauno
livros de sonia hirsch | BLOG | EXTRAS | CONTATO | COMPRAR | HOME

Almanaque de Bichos que dão em Gente

INDEX

SUMÁRIO

SINTOMAS

ALHO

LARVA

ATUALIZAÇÕES

 

PESQUISA ESCOLAR

1: VERMES? MELHOR NÃO TÊ-LOS!

2: A VIDA COMENDO SOLTA

3: NÓS, ELES, SINTOMAS E REAÇÕES

4: ONDE É A FESTA E QUEM FAZ

5: ANEMIA, INFECÇÃO E INFLAMAÇÃO

6: MAS E A IMUNIDADE, NADA?

7: BACTÉRIAS

8: FUNGOS

9: VÍRUS, DENGUE E OUTRAS FEBRES

10: RICKÉTTSIAS

11: PRÍONS

12: VERMES: ASQUELMINTOS NEMATÓDEOS

13: VERMES: PLATELMINTOS TREMATÓDEOS

14: VERMES: PLATELMINTOS CESTÓDEOS

15: PROTOZOÁRIOS

 

 

 

CAPÍTULO 8: FUNGOS

Mycota, o reino dos fungos, reúne cerca de 50 mil organismos que nascem do ar e se alimentam de matéria orgânica, animal ou vegetal, morta ou em estado de decomposição. Propagam-se através do talo, chamado micélio, feito de filamentos, ditos hifas; as hifas formam uma trama que pode ser microscópica ou, como nas orelhas-de-pau e outros cogumelos, ficar enorme. Fungos existem por todo o planeta e conforme o caso se chamam fermento, levedo, ferrugem, mofo, bolor, cogumelo, trufa. Muitos são comestíveis.

Alguns fungos vivem livremente no solo ou na água; outros formam relações parasitárias ou simbióticas com plantas e animais. Podem aproveitar uma variedade de carboidratos solúveis como glicose, xilose, sacarose e frutose, mas também são bem equipados para usar carboidratos insolúveis como amidos, celulose, hemicelulose e lignina. Carboidratos são sua comidinha preferida, e açúcar é a glória.

Fungos sapróbios obtêm sua comida de material orgânico morto. Fungos parasitários atacam organismos vivos. Certas espécies armam arapucas para caçar microrganismos como amebas, vermes nematódeos e rotíferos – secretam uma cola fortíssima na superfície de suas hifas, de modo que encostou, ficou; da hifa cresce uma espécie de tromba que invade a presa, ramifica lá dentro, produz enzimas letais para a vítima e suga seu citoplasma. Dactylella e Dactylaria, fungos de dentro da terra, fazem outro tipo de armadilha: detectando a presença de nematódeos, produzem uma porção de anéis através dos quais o verme mediano é capaz de passar. Quando um deles roça a parede interna de um anel, as células incham e prendem a criatura; a hifa penetra, se ramifica, mata o bicho e almoça.

Fungos garantem comida secretando enzimas na superfície em que estão vivendo. As enzimas digerem a comida, que é absorvida, já em forma líquida, diretamente pelas paredes da hifa.

Elementos químicos como fósforo, enxofre, potássio, magnésio e pequenas quantidades de ferro, zinco, manganês e cobre são nutrientes importantes para várias espécies de fungos; cálcio, molibdênio e gálio são necessários a algumas; oxigênio e hidrogênio são fundamentais, fornecidos em forma de água ou retirados dos carboidratos. Muitos fungos retiram tiamina e biotina do ambiente e parecem ser capazes de sintetizar todas as outras vitaminas necessárias à sua vida.

Também há fungos na maioria das raízes, inclusive de árvores. Eles ajudam as raízes na absorção de água e nutrientes como fósforo e nitrogênio; elas, em troca, dão aos fungos o açúcar produzido por fotossíntese, e assim vão vivendo em perfeita harmonia. São os fungos que garantem a sobrevivência das árvores em solos pobres e até mesmo nas florestas tropicais, onde a competição por nutrientes é muito grande.

A cerveja é produzida pela fermentação da cevada (da qual também se faz o malte) com o fungo Saccharomyces cereviceae, que produz álcool (etanol) quando não encontra oxigênio. O sabor amargo característico da cerveja vem das flores de lúpulo, que são acrescentadas para impedir o crescimento de micróbios indesejados. O vinho fermenta por processo igual: frutas maduras, pisadas, e fungo. O mesmo Saccharomyces, adicionado à farinha, nos dá o pão. Sovar a massa ativa o glúten e põe o fermento em contato com o oxigênio do ar; assim se produz dióxido de gás carbônico (CO2), que faz o pão crescer, e álcool etanol (CH2OH), que evapora no forno.

Candida albicans

é o fungo que infecta humanos com mais freqüência. Vive na superfície da pele e nas mucosas da boca, da vagina e do trato intestinal. Ele é que dá sapinho e corrimento vaginal parecendo leite talhado, que coça muito. Candidíase na pele é a assadura que dá nas dobrinhas, especialmente em áreas úmidas como axilas, entre as nádegas, no umbigo, nos testículos e nas bundinhas dos bebês. A pele entre os dedos e em torno das unhas pode ser atacada se a pessoa estiver sempre com as mãos úmidas. Nos pés, dá frieira entre os dedos (pé-de-atleta). Boqueira pode ser a infecção por cândida nos cantos da boca. Ocasionalmente o fungo invade o sistema respiratório, produzindo uma infecção broncopulmonar que simula a tuberculose miliar. A infecção raramente é sistêmica, mas se for pode afetar o revestimento do coração e as meninges.

Em pacientes cuja resistência a infecções é reduzida, C. albicans pode entrar na corrente sanguínea e causar doença generalizada. Tratamentos longos à base de antibióticos de largo espectro, como tetraciclina e cloranfenicol, podem predispor ao desenvolvimento da candidíase, provavelmente porque matam micróbios normalmente antagonistas dos fungos. Na quimioterapia e nos tratamentos de aids a proliferação de cândida é um dos efeitos colaterais mais delicados, porque impede o paciente de se alimentar direito.

A candidíase é mais fácil de tratar no começo, quando os fungos ainda não desenvolveram micélios; quando desenvolvem, entram na corrente sanguínea, se espalham e a erradicação fica cada vez mais difícil.

Uma série de sintomas pode ser conseqüência de candidíase crônica – alergia, dores abdominais, gases, irregularidade intestinal, garganta seca, insônia, queda de cabelo, estragos nas unhas, enxaqueca, infecções urinárias, problemas menstruais, depressão, irritabilidade, dificuldade de concentração, sensibilidade exagerada a produtos químicos, função imunológica diminuída, falta de energia, mal-estar, fadiga crônica, perda da libido.

Depois de Candida albicans, a infecção por Aspergillus é a que mais maltrata humanos debilitados. Às vezes nem produz sintomas, mas na maioria dos casos dá pneumonia e infecção generalizada. O fungo entra pelo ar ou através de algum corte ou ferida. Se for um portador de leucemia ou outro câncer, o fungo se espalha na pele e toma o fígado, os rins e o cérebro. O diagnóstico é difícil, porque as culturas realizadas em laboratório raramente dão resultado positivo; e as drogas antifúngicas não conseguem deter a velocidade com que a infecção avança.

Coccidioides immitis e Histoplasma capsulatum também provocam sintomas de infecção respiratória. Galinhas, pombos, cães, ratos, morcegos e outros bichos costumam ser infectados por histoplasma; usar esterco de galinha no jardim ou na horta freqüentemente faz com que os humanos da casa sejam contaminados.

Dentre os cogumelos, muitos são tóxicos e alguns podem matar. Outros têm efeitos medicinais inclusive contra o câncer, como shiitake, shimeji e reishi.

 

livros de sonia hirsch | BLOG | EXTRAS | CONTATO | COMPRAR | HOME